A expressão do movimento e os benefícios da construção de uma educação somática com crianças

uma leitura da psicologia junguiana

Autores

  • Marcela Mendes Nunes Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Marina Marques Conde

DOI:

https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2021.vol06.0009

Palavras-chave:

Consciência corporal, psicologia junguiana, educação infantil

Resumo

Considerando as práticas de ensino atuais, voltadas principalmente para o desenvolvimento intelectual das crianças, negligenciando o conhecimento corporal, espontâneo e instintivo, o presente artigo objetivou compreender os benefícios da educação somática na infância, através do olhar simbólico da psicologia analítica para o movimento. Realizou-se uma revisão de literatura, com métodos explícitos e sistematizados de busca, apreciação crítica e síntese da informação selecionada, sobre os principais estudos que tratam da educação somática, movimento e dança. Os dados analisados mostram que a educação somática traz benefícios para a tomada de consciência corporal, a articulação e a exploração do movimento e também para a expressão interna das crianças. Existe um maior domínio corporal e um maior conhecimento de si mesmo e do outro, o que contribui para o desenvolvimento emocional, físico e social, além de possibilitar que o indivíduo investigue toda sua potencialidade e espontaneidade, promovendo o processo de individuação. Por se tratar de pesquisa qualitativa, os resultados encontrados não se prestam a generalizações. Nesse sentido, sugere-se novas pesquisas a respeito do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, F. S. (2016). Que dança é essa?: uma proposta para a educação infantil. São Paulo: Summus.

Arce, C., & Dácio, G. M. (2007). A dança criativa e o potencial criativo: dançando, criando e desenvolvendo. Revista Eletrônica Aboré, 2007(3). Recuperado em 8 outubro de 2020, de http://www.saosebastiao.sp.gov.br/ef/pages/linguagem/expressividade/danca/Leituras/ A%20dan%C3%A7a%20criativa%20e%20o%20potencial%20criativo.pdf

Brito, R. M. M., Germano, I. M. P., & Severo Junior, R. (2021). Dança e movimento como processos terapêuticos: contextualização históricas e comparação entre diferentes vertentes. História, Ciências, Saúde Manguinhos, 28(1), 147-165. https://doi.org/10.1590/S0104-59702021000100008.

Brum, C. N., Zuge, S. S., Rangel, F. F., Freitas, H. M. B., & Pieszak, G. M. (2015). Revisão narrativa de literatura: aspectos concenceituais e metodológicos na construção do conhecimento da enfermagem. In M. R. Lacerda, & R. G. S. Consrenaro, (Orgs.), Metodologias da pesquisa para a enfermagem e saúde: da teoria à prática. Porto Alegre: Moriá.

Byington, C. (1988). Dimensões simbólicas da personalidade. São Paulo: Ática.

Byington, C. (1996). Pedagogia simbólica. Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos.

Farah, M. H. (2016). A imaginação ativa junguiana na dança de Whitehouse: noções de corpo e movimento. Psicologia USP, 27(3), 542-552. https://doi.org/10.1590/0103-656420150121.

Feldman, B. (2018). The aesthetic and spiritual life of the infant: towards a Jungian view of infant development. In Punnet, A., Jungian child analysis. Skiatook, OK: Fisher King Enterprises. eBook.

Fortin, S. (1999). Educação somática: novo ingrediente da formação prática em dança. Cadernos do Gipe-CIT, (2), 40-55.

Furth, G. M. (2004). O mundo secreto dos desenhos: uma abordagem junguiana da cura pela arte. São Paulo: Paulus.

Fux, M. (1988). Dançaterapia. São Paulo: Summus.

Hanna, T. (1972). Corpos em revolta: a evolução-revolução do homem do século XX em direção à cultura somática do século XXI. Rio de Janeiro: Mundo Musical.

Hannah, B. (1981). Encounters with the soul: active imagination as developed by C.G. Jung. Boston: Sigo Press.

Jung, C. G. (1988). A dinâmica do inconsciente. In A vida simbólica: escritos diversos (OC, Vol. XVIII/2, E. Orth, trad., pp. 31-90). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1957).

Jung, C. G. (1988). A importância do inconsciente para a educação individual. In O desenvolvimento da personalidade (OC, Vol. XVII, pp. 161-177). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1928).

Jung, C. G. (1988). Os objetivos da psicoterapia. In A prática da psicoterapia (OC, Vol. XVI, pp. 48-65). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1929).

Jung, C. G. (2004). Os arquétipos do inconsciente coletivo. In Psicologia do inconsciente (OC, Vol. VII/1, pp. 102-125). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1927).

Jung, C. G. (2013). Instinto e inconsciente. In A natureza da psique (M. R. Rocha, trad., 10a ed., OC, Vol. VIII/2, pp. 72-82). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1938).

Kast, V. (2016) Introdução: a perda do aconchego, amadurecimento precisa de tempo. In A alma precisa de tempo (M. A. Hediger, trad., pp. 7-12) Petrópolis, RJ: Vozes.

Laban, R. (1978). Domínio do movimento (5a ed.) São Paulo: Summus.

Laban, R. (1990). Dança educativa moderna. São Paulo: Ícone.

Lambert, M. M. (2016). Irmgard Bartenieff: uma herança de conectividade. Conceição/Conception, 5(2), pp. 49-63. https://doi.org/10.20396/conce.v5i2.8648043.

Marcellino, V. C. (2006). O self dança: uma proposta de individuação hipertextual. Dissertação, Instituto de Artes, Universidade de Campinas, Campinas.

Marques, I. A. (1997). Dançando na escola. Motriz, 3(1), pp. 20-28. Recuperado em 8 de dezembro de 2020, de http://www.rc.unesp.br/ib/efisica/motriz/03n1/artigo3.pdf

Miller, J. (2012). Qual é o corpo que dança?: dança e educação somática para adultos e crianças. São Paulo: Summus.

Minayo, M. C. S. (2012). Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência e Saúde Coletiva, 17(3), 621-626. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000300007.

Neumann, E. (1995). A criança. São Paulo: Cultrix.

Ramos, D. (2006). A psique e o corpo: uma compreensão simbólica da doença. São Paulo: Summus.

Silva, L. B. (2009). Tornando-se Jane: a individuação retratada em filme. Fractal, Revista de Psicologia, 21(3) 531-538.

Silva, L. G. (2016). Dança e infância: contribuições para o conhecimento do corpo. Trabalho de conclusão de curso. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, [Natal].

Simonetti, A. (2004). Manual de psicologia hospitalar. São Paulo: Casa do psicólogo.

Trindade, A. (2016). O movimento no espaço. In Mapas do corpo: educação somática de crianças e adolescentes (pp. 205-222). São Paulo: Summus.

Vianna, K. (2005). A dança. São Paulo: Summus.

Wahba, L. L., & Schmitt, P. L. (2013). A criança e a dança: observação clínica em grupo sobre o processo de individuação. Boletim Academia Paulista de Psicologia, 3(85), 85, 427-445. Recuperado em 23 de novembro de 2020, de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/bapp/v33n85/a14.pdf

Whitehouse, M. C. G. (1999). Jung and dance therapy. In Pallaro, P., Lovell, S., Mars, D., Dibbell-Hope, S, Avstreih, Z. A. K., Chodorow J., Ehrenreich H. J., . . . Musicant S., Authentic movement: essays by Mary Starks Whitehouse, Janet Adler and Joan Chodorow (pp. 73-101). London: Jessica Kingsley Publishers.

Whitehouse, M. S. (1999). Physical movement and personality. In Pallaro, P. (Ed.), Authentic movement: a collection of essays by Mary Starks Whitehouse, Janet Adler and Joan Chodorow (pp. 51-57). London: Jessica Kinsley Publishers. (Trabalho original publicado em 1963).

Winnicott, D. (1999). Os bebês e suas mães (J. L. Camargo, trad., M. H. S. Patto, rev. técnica, 2a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Zimmermman, E. (2020). Imaginação ativa. [s.l.]: Expressividade e Análise Junguiana.

Downloads

Publicado

10/27/2021

Como Citar

Mendes Nunes, M., & Conde, M. M. (2021). A expressão do movimento e os benefícios da construção de uma educação somática com crianças: uma leitura da psicologia junguiana. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 6(1), 1–18. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2021.vol06.0009

Edição

Seção

Artigo de revisão de literatura

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)