O corpo na produção artística da arte Medieval, no Renascimento e no Maneirismo

Paula Serafim Daré

Resumo


O objetivo deste trabalho é analisar o desenvolvimento da consciência coletiva na história da Europa por meio da observação de três momentos históricos da arte: a arte medieval, a renascentista e a maneirista. A análise foi feita a partir da observação das representações do corpo humano nas pinturas desses períodos. A obra de arte pode compensar a unilateralidade da consciência de uma época. A produção artística nestes três momentos apresenta características distintas, que serão abordadas sob a teoria da psicologia analítica. Para tanto, analisou-se o período histórico da Idade Média, descrevendo suas características sociais e artísticas, além das possíveis influências que a arte sofreu dos complexos culturais de cada uma das três escolas, relacionando estas influências às características da consciência e da sombra coletivas. Esta pesquisa busca compreender o desenvolvimento da consciência do homem europeu e, consequentemente, o desenvolvimento da psique ocidental.


Palavras-chave


história da arte, Renascimento, Maneirismo (arte), história - Europa.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Arruda, J. J., & Piletti N. (1995). Toda a história: história geral e história do Brasil. São Paulo: Editora Ática.

Barcellos, G. (2006). Voos e raízes: ensaios sobre a imaginação, arte e psicologia arquetípica. São Paulo: Agora.

Byington, C. (1991). Prefácio. In H. Kramer, & J. Sprenger, O martelo das feiticeiras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

Chastel, A. (2012). Arte e humanismo em Florença na época de Lourenço, o Magnífico: estudos sobre o renascimento e o humanismo platônico. São Paulo: Cosac Naify.

D’Ávila, L. F. (2008). Cósimo de Médici, memórias de um líder renascentista. São Paulo: Ediouro.

Farthing, S. (Ed.). (2010). Tudo sobre arte: os movimentos e as obras mais importantes de todos os tempos. Rio de Janeiro: Sextante.

Fernandes, R. R. (2004). A psicologia profunda no Novo Testamento. São Paulo: Vetor.

Gambini, R. (2010). Com a cabeça nas nuvens. Pro-Posições, 21(2): 149–159.

Gombrich, E. H. (1972). A história da arte. São Paulo: Círculo do Livro.

Grinberg, L. P. (1997). Jung, o homem criativo. São Paulo: FTD.

Guerra, M. H. M. (2006). Arte e transcendência. Jung & Corpo, 6(6): 45–53.

Hauser, A. (1972). História social da literatura e da arte (Vol. 1). São Paulo: Artegráfica.

Hauser, A. (1976). Maneirismo: a crise da Renascença e o surgimento da arte moderna. São Paulo: Editora Perspectiva.

Hillman, J. (1984). O mito da análise. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Huizinga, J. (2013). O outono da Idade Média: estudo sobre as formas de vida e de pensamento dos séculos XIV e XV na França e nos países baixos. São Paulo: Cosacnaify.

Imbroisi, M., & Martins, S. (2018). Renascimento. Recuperado em 1 de março de 2018, de http://www.historiadasartes.com/nomundo/arte-renascentista/renascimento/

Inhan, L. Renascimento (Coleção qwero saber). (2008). São Paulo: Escala.

Janson, H. W., & Janson, A. F. (1996). Iniciação à história da arte. São Paulo: Martins Fontes.

Jung, C. G. (1987). O espírito na arte e na ciência. In Obras Completas (Vol. XV). Petrópolis, RJ: Ed Vozes.

Jung, C. G. (1988). Nietzsche’s Zarathustra: Notes of seminars given in 1934-1939. (J. Jarret, Ed.; Bollingen Series XCIX). Princeton, NJ: Princeton University Press.

Jung, C. G. (1991). A natureza da psique. In Obras Completas (Vol. VIII/2). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Jung, C. G. (1995). Símbolos da transformação. In Obras Completas (Vol. V). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Jung, C. G. (2009). Psicologia e alquimia. In Obras Completas (Vol. XII). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Jung, C. G. (2011). Psicologia e religião. In Obras Completas (Vol. XI/1). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Le Goff, J. (2007). O Deus da Idade Média: conversas com Jean-Luc Pouthier. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Le Goff, J. & Truong, N. (2014). Uma história do corpo na Idade Média. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Lichtenstein, J. (Org.). (2004). A pintura: textos essenciais: a figura humana (Vol. 6). São Paulo: Editora 34.

Korovaeff, C. K. (2009). Mistérios e revelações da Idade Média (Coleção quero saber). São Paulo: Escala.

Nunes, C. A. (2012). Los caprichos, de Francisco Goya: manifestações da sombra coletiva espanhola (Dissertação de mestrado). Programa de estudos pós graduados em Psicologia Clínica. Pontifícia Universidade Católica - PUC, São Paulo, Brasil.

O’Kane, F. (1994). A sombra de Deus: reflexões sobre a depressão e a dimensão religiosa da existência. São Paulo: Axis Mundi.

Ramos, D. G. (1990). A psique do coração. São Paulo: Cultrix.

Sharp, D. (1991). Léxico junguiano. São Paulo: Cultrix.

Ulson, G. (1988). O método junguiano. São Paulo: Ática.

Unger, M. J. (2009). O magnífico. São Paulo: Larousse.

Wahba, L. (2008). Arte e cultura. Junguiana, 26: 73–78.




DOI: https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2018.vol03.0002

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

CORRESPONDÊNCIA: Rua Simão Álvares, 526 - Pinheiros - São Paulo/SP, Brasil - CEP 05417-020 / Tel.: (55 11) 3031-0157

ISSN 2448-3060