Consciência dionisíaca

uma reação à neurose da cultura ocidental

Autores

  • João Luis Corá Silva Pontifícia Universidade Católica do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2021.vol06.0005

Palavras-chave:

Mitos, psicologia junguiana, arquétipos, consciência, neurose

Resumo

Este artigo analisou a consciência dionisíaca que perpassa a psicologia analítica de Jung e seu posterior desdobramento na psicologia arquetípica de James Hillman. O método utilizado foi o de pesquisa de revisão bibliográfica, iniciando com o levamento das diversas narrativas sobre o Dionísio mitológico. Em seguida, abordou-se o arquétipo de Dionísio à luz da psicologia analítica de Jung. Então, a partir da visão da psicologia arquetípica de James Hillman, tratou-se da consciência dionisíaca, entendida como um retorno ao feminino, a fim de metaforizar ou novamente tornar imaginais aspectos projetados sobre o corpo e a matéria – causa da neurose da consciência ocidental. Dionísio é o deus portador do pathos, deus das emoções e ambivalências. Enquanto experiência arquetípica, o dionisíaco relaciona-se ao pathos, aos instintos, às emoções humanas, portanto, é uma via privilegiada de acesso ao inconsciente. A consciência dionisíaca integra em si a dimensão reprimida pela cultura ocidental do pathos humano – a matéria, o corpo – às emoções e aos aspectos relegados ao feminino, possibilitando o surgimento de uma nova consciência unificada e uma reação à neurose da cultura ocidental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bishop, P. (1995). The Dionysian self: C. G. Jung's reception of Friedrich Nietzsche. Berlin: De Gruyter. https://doi.org/10.1515/9783110811704.

Edinger, E. (1990). Coniunctio. In Anatomia da psique (pp. 227-248). São Paulo: Cultrix.

Heidegger, M. (1977). A origem da obra de arte. Lisboa: Edições 70.

Hillman, J. (1984). O mito da análise: três ensaios de psicologia arquetípica. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Hillman, J. (1988). Cultivo da alma. In Psicologia arquetípica: um breve relato (pp. 54-57). São Paulo: Cultrix.

Hillman, J. (2010) Introdução. In Re-vendo a psicologia (pp. 25-38). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Hillman, J. (2011a). Rudimentos. In Psicologia alquímica (pp. 34-82). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1983).

Hillman, J. (2011b). A sedução do preto. In Psicologia alquímica (pp. 126-146). RJ, Petrópolis: Editora Vozes. (Trabalho original publicado em 1983).

Jacobi, J. (1990). Complexo. In Complexo, arquétipo, símbolo na psicologia de C. G. Jung (pp. 16-36). São Paulo: Cultrix. (Trabalho original publicado em 1957).

Jung, C. G. (2011). Símbolos oníricos do processo de individuação. In Psicologia e alquimia (OC, Vol. XII, pp. 51-242). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1944).

Jung, C. G. (1986). As duas formas de pensamento. In Símbolos da transformação (OC, Vol. V, pp. 6-32). Petrópolis, RJ: Editora Vozes. (Trabalho original publicado em 1912).

Jung, C. G. (2013). Considerações gerais sobre a teoria dos complexos. In A natureza da psique (OC, Vol. VIII/2, Capítulo 3, pp. 39-52). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1934).

Kerényi, K. (2015). A mitologia dos gregos: a história dos deuses e dos homens (Vol. 1). Rio de Janeiro: Vozes.

López-Pedraza, R. (2002). Dioniso no exílio: sobre a repressão da emoção e do corpo. São Paulo: Paulus.

Nietzsche, F. (1992). O nascimento da tragédia. São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1872).

Downloads

Publicado

2021-06-15

Como Citar

Corá Silva, J. L. (2021). Consciência dionisíaca: uma reação à neurose da cultura ocidental. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 6(1), 1–20. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2021.vol06.0005

Edição

Seção

Artigo de revisão de literatura