O matrimônio sagrado yin-yang:

anima e animus no processo de individuação

  • Grazieli Aparecida Gonçalves Castro/PR
  • Adriana Goreti de Oliveira Lopes Cascavel/PR

Resumo

Pretende-se por meio deste artigo demonstrar a importância da integração dos opostos proposta pela filosofia chinesa e o processo de individuação presente na psicologia analítica, tendo em vista que esta ideia tem influência direta na concepção dos arquétipos de anima e animusdescrita por Carl G. Jung. Utilizando um estudo bibliográfico com ênfase na metodologia qualitativa, buscou-se analisar as consequências, para as mulheres, da dissociação do princípio feminino (yin) e o princípio masculino (yang), partindo do pressuposto que o processo de individuação representa o tornar si mesmo. A essência humana contém em si ambas polaridades, de modo a existir uma complementação dos princípios que deve ser trabalhada internamente para que ocorra o matrimônio sagrado. Quando não há integração dos opostos, a individuação não ocorre, podendo resultar em uma anima negativa (que tenderá a reprimir as suas ações, sentimentos e a sexualidade); assim como ao rejeitar a sabedoria da sua intuição, bem como um animus negativo tornará a mulher uma moralizadora, cheia de dogmas e inflexível às opiniões alheias, com tendências agressivas e prisioneira das suas próprias crenças e julgamentos. Portanto, revela-se fundamental para a saúde mental e qualidade das relações interpessoais das mulheres a necessidade de resgate do sagrado arquétipo feminino e o acolhimento e integração das virtudes masculinas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Grazieli Aparecida Gonçalves, Castro/PR
Pós-graduada em Psicologia analítica (clínica junguiana) pela Universidade Paranaense (Unipar); graduada em Psicologia pela Faculdade Sant'Ana; cursando a formação em Arteterapia pelo Incorporar-te - Espaço Terapêutico Corpo e Artes. Psicóloga clínica de crianças, adolescentes e adultos com ênfase na abordagem da psicologia analítica. 
Adriana Goreti de Oliveira Lopes, Cascavel/PR
Analista junguiana, membro do Instituto Junguiano do Paraná (IJPR), membro da Associação Junguiana do Brasil (AJB) e International Association for Analytical Psychology (IAAP). Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro; graduada em psicóloga clínica pela Universidade Paranaense; graduada em Ciências pela Universidade Paranaense. Docente em cursos de Pós-Graduação nas áreas de psicologia e áreas afins.

Referências

Brandão, J. S. (1987). Mitologia grega (Vol. 3). Petrópolis, RJ: Vozes.

Harding, M. E. (1970). The way of all the women: a psychological interpretation. New York: Green and Company. (Trabalho original publicado em 1943).

Hubert, H., & M. Mauss. (1909) Melanges d'histoire des religions (Travaux de l'annee sociologique). Paris: F. Alcan.

Jung, C. G. (2002). Os arquétipos e o inconsciente coletivo. In Obras Completas (M. L. Appy e D. M. R. F. Silva, trads., Vol. IX/1, pp. 53-65). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho originalmente publicado em 1948).

Jung, C. G. (2008). O eu e o inconsciente. In Obras Completas. (21a ed., M. L. Appy e D. M. R. F. Silva, trads., Vol. VII/2, pp. 47-103). 7 Petrópolis, RJ: Vozes.

Jung, C. G. (2011). Mysterium Coniunctionis: rex e regina; adão e eva; a conjunção. In Obras Completas. (V. Amaral, frei, trad., Vol. XIV/2, pp. 277-287. Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho originalmente publicado em 1970).

Jung, E. (2006). Formas de manifestação do animus. In Animus e anima (pp. 16-39). São Paulo: Cultrix. (Trabalho original publicado em 1988).

Lévy-Bruhl, L. (1935). La Mythologie primitive: le monde mythique des Australiens et des Papous (2e ed., Travaux de l'année sociologique). Paris: Librairie Félix Alcan.

Maciocia, G. (1996). Yin-yang. In Os fundamentos da medicina chinesa: um texto abrangente para acupunturistas e fitoterapeutas. (pp. 1-19). São Paulo: Roca.

Neumann, E. (2000). O medo do feminino e outros ensaios sobre a psicologia feminina. São Paulo: Paulus.

Penna, E. M. D. (2009). Processamento simbólico arquetípico: uma proposta de método de pesquisa em psicologia analítica. Tese de Doutorado), Núcleo de Estudos Junguianos, Programa de Estudos pós-graduados em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. Recuperado em 25 de março de 2017, de http://livros01.livrosgratis.com.br/cp097063.pdf

Pontes, M. R. (1998). Os contos de fadas e os valores do eterno feminino: algumas reflexões. Porto: Universidade do Porto, Faculdade de Letras. Recuperado em 1 de outubro de 2017, de https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/10750

Qualls-Corbett, N. (2002). A prostituta sagrada: a face eterna do feminino (4a ed.). São Paulo: Paulus. (Trabalho original publicado em 1990)

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico (23a ed., rev. atual.). São Paulo: Cortez.

Stein, M. (2000). O surgimento do si-mesmo. In Jung, o mapa da alma: uma introdução (pp. 153-175). São Paulo: Cultrix.

Ulanov, A. B. (1971). The feminine in junguian psychology and in christian theology. Evanston: Northwestern University Press.

Von Franz, M. L. (2016) O processo de individuação. In C. G. Jung, O homem e seus símbolos (3a ed. especial, Maria Lúcia Pinho, trad., pp. 207-306). Rio de Janeiro: Harper Collins Brasil. (Trabalho original publicado em 1964).

Whitmont, E. C. (1969). A busca do símbolo: conceitos básicos de psicologia analítica. São Paulo: Cultrix.

Wilhelm, R. (2006). I ching: o livro das mutações. São Paulo: Pensamento.

Publicado
30-05-2018
Como Citar
Gonçalves, G., & Lopes, A. (2018). O matrimônio sagrado yin-yang:. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 3. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2018.vol03.0003
Edição
Seção
Artigo de revisão de literatura