O curador ferido: xamanismo e psicologia analítica

Rejane Maria Gomes Leite Natel

Resumo


Auxiliar uma pessoa que se encontra na condição de sofrimento é tentar, a partir de sua história, ajudá-la a dar um sentido a sua vida. Ao estudarmos outras culturas e seus mitos, estamos enriquecendo as possibilidades de nos aproximarmos de nosso paciente, ajudando-o assim a encontrar e a acolher o mito que regerá sua própria vida. A figura do xamã apresenta correspondência no mito do curador ferido em várias mitologias. Sua figura nas sociedades é a do sacerdote, médico, conselheiro e mantenedor das tradições da cultura do grupo. Mas o xamã deve passar primeiro por um processo iniciático, uma jornada heroica, antes que possa se tornar um curador. A função religiosa se manifesta nos processos iniciáticos e define quem está apto a ser representante: ela surge da necessidade da compreensão dos símbolos e de seus significados, originários dos conteúdos universais do homem. Na formação junguiana, a busca por ser um analista se dá na necessária junção da teoria e da vivência analítica, sendo preciso que o analista se submeta a vivências e experiências que propiciem o contato com os conteúdos do inconsciente coletivo, por meio de técnicas de análise dos sonhos, imaginação ativa, produção artística e outras. Por meio da relação da psique inconsciente profunda com a consciência, os mitos fundantes são reatualizados, permitindo ao candidato a analista resgatar sua individualidade na busca por ajudar os outros a fazer o mesmo.


Palavras-chave


Self, individuação, xamanismo, psicologia junguiana, consciência, inconsciente

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Campbell, J. & Moyers, B. (1990). O poder do mito. São Paulo: Palas Athena.

Cassirer, E. (1994). Ensaio sobre o homem. São Paulo: Martins Fontes.

Edinger, E. F. (1993). A criação da consciência. São Paulo: Cultrix

Eliade, M. (1989). Aspectos do mito. Lisboa (Portugal): Edições 70.

Eliade, M. (1998). O xamanismo e as técnicas arcaicas de êxtase. São Paulo: Martins Fontes.

Jung C. G. (1986). Símbolos da transformação. In C. G. Jung, Obras Completas. (volume V). Petrópolis: Ed. Vozes Ltda.

Jung C. G. (2002). Cartas de C.G. Jung, Volume II – 1946-1955. Petrópolis: Editora Vozes.

Lewis, I. M. (1977), Êxtase religioso. São Paulo: Editora Perspectiva.

Natel, R. M. G. L. (2003). Xamã: símbolo da cura espiritual, a partir de Mircea Eliade. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

Sandner, D. (1997). Os navajos e o processo simbólico da cura. São Paulo: Summus Editorial.

Terrin, A. N. (1998). O sagrado off limits: a experiência religiosa e suas expressões. São Paulo: Loyola.

von Franz, Marie-Louise. (2004): Psicoterapia. São Paulo: Paulus.




DOI: http://dx.doi.org/10.21901/2448-3060/self-2016.vol01.0009

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 2448-3060