O autorretrato revisitado de uma avó

  • Denise Diniz Maia
Palavras-chave: psicologia da criança, membros da família, individuação, avós, crianças.

Resumo

Autorretratos são espelhos da psique profunda, reflexos de estados da alma. Ao serem olhados em série, como as imagens dos sonhos, revelam um processo em curso, um caminho trilhado. São retratados aqui alguns dos papéis vivenciados pela autora, como observadora de processos psíquicos, terapeuta de crianças em seu fazer lúdico, e como avó de meninas em uma constante descoberta, enfatizando a busca da criança interior como parte importante da maturidade criativa. Na ânsia de completar-se, o homem passa por diversas etapas e tarefas que referendam a primeira e a segunda metade da vida. Reconhecer e integrar as conquistas e as perdas dessas fases é condição necessária à busca de si mesmo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Diniz Maia
Psicóloga clínica, com especialização em arte integrativa e em terapia psicomotora e cinesiologia psicológica, com base junguiana. Analista didata do Instituto Junguiano de São Paulo (IJUSP); membro da Associação Junguiana do Brasil (AJB); filiada à International Association for Analytical Psychology (IAAP/Zurich). Diretora administrativa e de comunicações do IJUSP no biênio 2014/2016; coordenadora do grupo de estudos psicológicos da criança do IJUSP. Exerce trabalho clínico com crianças, adolescentes, adultos e orientação de pais.

Referências

Bachelard, G., & Danesi A. P. (1996). Poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes.

Canton, K. (2002). Autorretrato, espelho de artista como forma de pensar uma exposição de arte. Tese de Livre-docência, Escola de Comunicação e Artes – ECA, Universidade de São Paulo – USP, São Paulo.

Éstes, C. (2007). A ciranda das mulheres sábias. São Paulo: Rocco.

Jung, C. G. (2000). Aion: estudos sobre o simbolismo de si-mesmo. In C. G. Jung, Obras Completas (vol. IX/2, 6a ed.). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Jung, C. G. (2002). A energia psíquica. In C. G. Jung, Obras Completas (vol. VIII/1, 8a ed.). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Kipper, C. D. R., & Lopes, R. S. (2006). O tornar-se avó no processo de individuação. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(1), 29-34. Retrieved March 7, 2016, from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722006000100004&lng=en&tlng=

Monteiro, D. M. R. (Org.). (2008). Puer-Senex: dinâmicas relacionais. Petrópolis: Editora Vozes.

Pessoa, F. (1973). A criança que fui chora na estrada. In M. R. M. Sabino, & A. M. M. Sereno (Orgs.), Novas poesias inéditas (p. 48). Lisboa: Ática.

Silveira, N. (1981). Introdução. In M. L. Von Franz. A interpretação dos contos de fada (p. 11). Rio de Janeiro: Achiamé.

Publicado
04-05-2016
Como Citar
Maia, D. (2016). O autorretrato revisitado de uma avó. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 1. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2016.vol01.0002
Edição
Seção
Artigo de reflexão (ensaio)