Maria de Magdala:

o resgate do feminino e a função transcendente

  • Adriane Viola Bacarin UNIPAR - UNIVERSIDADE PARAENSE
Palavras-chave: sexualidade, feminilidade, projeção, self

Resumo

Este trabalho relaciona a passagem de Maria de Magdala no Novo Testamento, ao despertar do si-mesmo, após vivenciar estágios egoicos dolorosos e o resgate do feminino na visão da psicologia analítica. Para tanto, foram delimitados os seguintes conceitos: o feminino e a misoginia; anima eanimus; aspectos da sombra; e, por fim, a função transcendente. Foi possível descrever os momentos da história pessoal da personagem, alguns aspectos históricos, o modo como vivia o povo de Magdala, a cultura, as leis, os costumes e a interpretação dos símbolos que a passagem traz. Identificaram-se alguns arquétipos relacionados ao comportamento da mulher e a projeção social que perdura ainda hoje, bem como os aspectos daanima e animus e a projeção desses opostos, representados pela violência e discriminação contra a mulher. Identifica-se, desse modo, que o encontro da personalidade Maria com Jesus (representação do Self), permitiu que refizesse sua trajetória e concluir que a direção das atitudes da personagem a partir do encontro com Jesus e o resgate do feminino, a transformou para sempre, servindo-nos como um grande exemplo de lapidação do si-mesmo que visa o despertar da Grande Personalidade dentro de cada um de nós.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bonaventure, L. (2000). Introdução à Coleção Amor e Psique. In James Hollis, A Passagem do Meio: da miséria ao significado da meia-idade. (pp. 5-6). São Paulo: Paulus.

Bailey, K. E. (1995). As Parábolas de Lucas. São Paulo: Editora Vida Nova.

Brasil. (2006). Lei n. 11.340, de 7 agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Diário Oficial da União. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Carotenuto, A. (1997). Amar trair: quase uma apologia da traição. (B. Lemos, Trad.) São Paulo: Paulus.

Dias, H. D. (Comentarista). (2010a). Maria de Magdala [DVD]. Belo Horizonte: Ser Produções.

Dias, H. D. (2010b). O Novo Testamento (H. D. Dias, Trad.). Brasília, DF: EDICEI.

Dias, H. D. (2011). Parábolas de Jesus: texto e contexto. Curitiba: FEP.

Franco, D. P., & Lopes, L. F (Org.). (2013). Sexo e consciência. Salvador: Leal.

von Franz, M.-L. (2000). O gato: um conto da redenção feminina (E. L. Callini, Trad., Série Amor e Psique). São Paulo: Paulus.

Jung, C. G. (1958). A natureza da psique: a dinâmica do inconsciente (OC, Vol. VIII/02). São Paulo: Vozes.

Jung, E., (1995) Anima e Animus. São Paulo: Cultrix. (Trabalho original publicado em 1967).

Kast, V. (1997). A dinâmica dos símbolos: fundamentos da psicoterapia junguiana. (M. C. Mota, Trad.) São Paulo: Edições Loyola. (Trabalho original publicado em 1990)

Robell, S. (1997). A mulher escondida: a anorexia nervosa em nossa cultura. São Paulo: Summus.

Sanford, J. A. (1980). Os parceiros invisíveis. São Paulo: Edições Paulinas.

Whitmont, E. C. (1969). A busca do símbolo: conceitos básicos de psicologia analítica. São Paulo: Cultrix.

Publicado
03-07-2019
Como Citar
Bacarin, A. V. (2019). Maria de Magdala:. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 4(1), 1-24. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2019.vol04.0009
Seção
Artigo de reflexão (ensaio)