Filhos da mãe - Animus da mãe na vida do filho

  • Irene Pereira Gaeta Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo/SP
Palavras-chave: ego, psicologia junguiana, complexo materno

Resumo

Este artigo tem por objetivo refletir sobre as pessoas nascidas no contexto da ausência paterna, os “filhos da mãe”. A partir do entendimento do inestimável valor do fenômeno relacional humano e do funcionamento psíquico, este trabalho aplica os princípios de animae animuspropostos por Jung,considerando que tais princípios explicam a dualidade entre os sexos, por um lado, e dão sentido à própria experiência subjetiva, por outro. Discute-se também a diferenciação entre os filhos da mulher com um ego estruturado e uma boa relação com seu lado masculino e os filhos da mulher com o animusatuando de modo autônomo. Parte-se do pressuposto de que é preciso olhar para a biologia e para a psicologia de maneira integrada, pois se o cérebro molda a psique, a psique também molda o cérebro. Não há como supor que o homem seja regido por logose a mulher por Eros, mesmo que sejam entendidos como elementos que compõem tanto o masculino quanto o feminino. Capacidade de decisão, iniciativa, coragem e honestidade nascem do lado positivo do animusque, no seu aspecto maior, personifica uma elevada profundidade espiritual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Irene Pereira Gaeta, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo/SP

Irene Gaeta ‒Analista didata do Instituto Junguiano de São Paulo (IJUSP); membro da Associação Junguiana do Brasil (AJB); filiada à International Association for Analytical Psychology(IAAP/Zurich). Doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP); mestre em Gerontologia pela PUC/SP; especialista em Práxis Artísticas e Terapêutica: Interfaces da Arte e da Saúde pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; arteterapeuta formada pelo  Instituto Sedes Sapientiae. Psicóloga. Coordenadora do Núcleo de Estudos em Arte e Psicologia Analítica (NAPA) do IJUSP e do Departamento de Arte e Psicologia da AJB. Professora do curso de Psicologia da Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde da PUC/SP. Coordenadora da Pós-Graduação em Psicologia Analítica e em Psicogerontologia da Universidade Paulista. Autora dos Livros: “Memória corporal o simbolismo do corpo na trajetória da vida” (Editora Vetor); “Psicoterapia junguiana: novos caminhos na clínica o uso do desenho de mandalas e calatonia” (Editora Vetor); organizadora da Coletânea “Gerontologia” (Editora Vetor); coautora dos livros: “Sonhos e arte – diário de Imagens” (Primavera Editorial); “Arteterapia e mandalas uma abordagem junguiana” (Editora Vetor); “Corpo em Jung” (Editora Vetor); “Etapas da família – Quando a tela nos espelha” (Editora Appris). Atende em consultório adolescentes e adultos.

Referências

Anônimo. (s.d.). Terezinha de Jesus. Recuperado de https://www.ouvirmusica.com.br/cantigas-populares/984009/.

Astor, J. (2000). Comment on Why it is difficult to see the anima as a helpful object. Journal of Analytical Psychology, 45(4), 561-564. doi.org/10.1111/1465-5922.00191.

Beebe, J. (2000). Response to Anita von Raffay´s paper. Why it is difficult to see the anima as a helpful object. Journal of Analytical Psychology, 45(4), 565-568. doi.org/10.1111/1465-5922.00192.

Fillus, M. A. (2012). Anima e animus na Contemporaneidade. Junguiana, 30(2), 39-46.

Hillman, J. (1990). Anima: anatomia de uma noção personificada. São Paulo: Cultrix.

Hillman, J. (1998). O livro do puer: ensaios sobre o arquétipo do puer aeternus. São Paulo: Paulus.

Jung, C. G. (1987). O eu e o inconsciente (OC, Vol. VII/2). Petrópolis: Vozes.

Jung, C. G. (2002). Os arquétipos e o inconsciente coletivo (OC, Vol. XIX/1). Petrópolis, RJ: Vozes (Trabalho original publicado em 1934; revisado em 1954).

Jung, C. G. (2006). Memórias, sonhos, reflexões (2a ed.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira. (Trabalho original publicado em 1961).

Jung, C.G. (2011). Aion, estudos sobre o simbolismo do si-mesmo (OC, Vol. 2). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1951).

Jung, C. G. (2013). Símbolos da transformação (OC, Vol. V). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1912; revisado em 1952).

Jung, E. (1995). Anima e Animus. São Paulo. Cultrix.

Kast, V. (2000). Comment on Von Raffay: 'Why it is difficult to see the anima as a helpful object. Journal of Analytical Psychology, 45(4), 569-571.

Knox, J. (2004). From archetypes to reflective function. Journal of Analytical Psychologym, 49(1), 1-19.

Tacey, D. J. (1997). Remaking men: Jung, spirituality and social change. London: Routledge.

von Raffay, A. (2000). Why it is difficult to see the anima as a helpful object. Journal of Analytical Psychology, 45(1), 541-560.

Publicado
01-03-2019
Como Citar
Gaeta, I. P. (2019). Filhos da mãe - Animus da mãe na vida do filho. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 4(1). https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2019.vol04.0003
Seção
Artigo de reflexão (ensaio)