A experiência amorosa como rito de passagem dentro do processo de individuação feminino

  • Ana Lūcia Cirineu OPUS Psicologia e Educação
Palavras-chave: amor, ritos de iniciação, sofrimento, individuação (psicologia)

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo refletir sobre a experiência amorosa tal como ela é vivida pelas mulheres, ressaltando essa trajetória como um processo único e de grande importância no desenvolvimento da psique feminina. A escolha por analisar especificamente a experiência amorosa feminina partiu do pressuposto de que ela se dá de forma diferente daquela do desenvolvimento masculino. Na mulher, o amor configura-se como um rito iniciático que a coloca na jornada da individuação, já o homem, no decorrer de seu desenvolvimento, depara-se com outras formas de iniciação. A pesquisa aqui desenvolvida investigou de que forma a experiência amorosa serve como rito de passagem para o caminho de individuação feminino, explorando mais precisamente o sofrimento enquanto marca principal desse rito de passagem.  A partir do mito de Eros e Psiquê, analisou-se  o caminho percorrido pela mulher na descoberta de si mesma, considerando o sofrimento experimentado no decorrer do processo como necessário e facilitador do encontro com o animus, o que, consequentemente, contribui para o processo de tomada de consciência e para a busca autônoma da individuação feminina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Albioni, T., Toquinho, Moraes, V. ([1971]). Como dizia o poeta [Gravado por Marilia Medalha, Toquinho, & Vinícius de Moraes. In Como dizia o poeta...: música nova. Rio de Janeiro: RGE. Recuperado de http://www.toquinho.com.br/album/lp-como-dizia-o-poeta-musica-nova/.

Alvarenga, M. Z. (Org.). (2017). Anima-animus de todos os tempos. São Paulo: Escuta.

Carotenuto, A. (1994). Eros e pathos: amor e sofrimento. São Paulo: Paulus.

Eliade, M. (1992). Origens: história e sentido na religião. Lisboa: Edições 70. (Trabalho original publicado em 1949).

Grizolia, L. M. (2008). Paixão como projeção: quando esse sentimento aprisiona Trabalho de Conclusão de Curso, Pontifícia Universidade Católica-SP, São Paulo.

Hillman, J. (2011). Psicologia alquímica. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Jacobi, J. (1957). Complexo, arquétipo e símbolo na psicologia de C. G. Jung. São Paulo: Cultrix.

Jung, C. G. (1984). Aspectos gerais da psicologia dos sonhos. In A natureza da psique. (OC, Vol. VIII/2, pp. 186-234). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1928).

Jung, C. G. (Org.). (2008). O homem e seus símbolos. 10 ed. Rio de Janeiro: Nova Edição. (Trabalho original publicado em 1961).

Jung, C. G. (2013). Aion: estudos sobre o simbolismo do si-mesmo. (OC, Vol. IX/2, 10a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1951).

Lazdan, A. M. (2015). O que os homens têm a dizer sobre as mulheres: os novos posicionamentos de jovens do gênero masculino frente às transformações femininas nas relações afetivas: uma leitura sob a ótica da psicologia analítica. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara.

Lima Filho, A. P. (1997). Brincadeiras selvagens problema nosso: Diálogo com pais de adolescentes. São Paulo: Oficina de textos.

Lima Filho, A. P. (2002). O pai e a psique. São Paulo: Paulus.

Lispector, C. (1998). A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998. (Trabalho original publicado em 1977).

Montaigne, M. (2000). Os Ensaios (R. C. Abílio, trad.). São Paulo: Marins Fontes. (Trabalho original publicado em 1580).

Neumann, E. (1980). A criança: estudo e dinâmica da personalidade em desenvolvimento desde o início da sua formação. São Paulo: Cultrix.

Neumann, E. (2017). Eros e Psiquê. Amor, Alma e Individuação no Desenvolvimento do Feminino. São Paulo: Cultrix.

Parisi, S. (2009). Separação amorosa e individuação feminina: uma abordagem em grupo de mulheres no enfoque da psicologia analítica. 2009. Dissertação de Doutorado. Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Publicado
28-10-2020
Como Citar
Cirineu, A. L. (2020). A experiência amorosa como rito de passagem dentro do processo de individuação feminino. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 5, 1-19. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2020.vol05.0011
Seção
Artigo de reflexão (ensaio)