As deusas celtas e a jornada simbólica da alma feminina

  • Mayra Faro UEPA
Palavras-chave: deusas, mitos, arquétipos, feminino

Resumo

Este artigo visa a apresentar uma análise arquetípica dos mitos de cinco deusas da mitologia celta, que refletem aspectos simbólicos e profundos da alma feminina, contribuindo dessa forma com o processo terapêutico e de individuação das mulheres. As antigas histórias míticas, permeadas de símbolos, ressoam por milênios nas culturas humanas, no imaginário e no folclore. Observa-se nos antigos mitos celtas um vasto e profundo material simbólico sobre a psique humana. Ao contrário da mitologia greco-romana, que é bastante divulgada e foco de amplas pesquisas, a mitologia celta ainda é pouco investigada. Assim, este artigo intenta contribuir com os estudos sobre a mitologia celta, no campo da psicologia analítica, tecendo diálogos com as ciências das religiões e a fenomenologia. Para tanto, foram analisadas cinco deusas celtas: Danann, Brighid, Macha, Cailleach e Cerridwen. A abordagem do trabalho foi qualitativa e fenomenológica, com pesquisa bibliográfica, pautando-se nos estudos de C. G. Jung, Jacobi, Mircea Eliade, Clarissa P. Estés e outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barros, M. N. A. (1994). Uma luz sobre Avallon. São Paulo: Mercuryo.

Bellingham, D. (1997). Mitología celta. Madrid: Edimat Libros.

Boff, L. (2014). Saber cuidar: a ética do humano. Petrópolis, RJ: Vozes.

Carr-Gomm, P. (s.d.). Elementos da tradição druida. Rio de Janeiro: Ediouro.

Clann Bhríde. (2013). O livro das horas: para práticas diárias e sazonais (M. Paschoalin, & R. Seneween, trads.). [s.l.]: Autor. Recuperado em 20 de março de 2019, de http://caminhodotarot.com.br/wp-content/uploads/2017/05/Livro-das-Horas-1.pdf.

Eliade, M. (2012). Sagrado e profano: a essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes.

Espírito Santo, M. I. (2010). Vasos sagrados: mitos indígenas brasileiros e o encontro com o feminino. Rio de Janeiro: Rocco.

Estés, C. P. (1997). Mulheres que correm com os lobos: mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem. Rio de Janeiro: Rocco.

Jacobi, J. (2016). Complexo, arquétipo e símbolo: na psicologia de C. G. Jung. Petrópolis, RJ: Vozes.

Jung, C. G. (2016). O homem e seus símbolos. 3a edição esp. Rio de Janeiro: Harper Collins. (Trabalho original publicado em 1964).

von Koss, M. (2011). Soberania, a grande deusa celta. Recuperado em 25 de março de 2019, de https://medium.com/@koss.monika/soberania-a-grande-deusa-celta-a95e2e71ec96.

Launay, O. (1978). A civilização dos celtas. Rio de Janeiro: Otto Pierre Editores.

Mackenzie, D. A. (1917). Wonder tales from Scottish myth and legend. Scotland: [s.n.]. Recuperado em 20 de março de 2019, de http://www.sacred-texts.com/neu/celt/tsm/index.htm.

Malone, K. A. (2010). Discovering ancient ireland. Dublin: The History Press Ireland.

Markale, J. (1997). A grande deusa: mitos e santuários, da Vênus de Lespugue à Nossa Senhora de Lourdes. [Lisboa]: Instituto Piaget.

Nogueira, C. (2004). Bruxaria e história: as práticas mágicas no Ocidente cristão. [Florianópolis]: EDUSC.

Penna, L. (1993). Dance e recrie o mundo: a força criativa do ventre. São Paulo: Summus.

Prieto, C. (2017). Todas as deusas do mundo. São Paulo: Ed. Alfabeto.

Squire, C. (2003). Mitos e lendas celtas. São Paulo: Nova Era.

Terrin, A. N. (1996). O arquétipo do feminino na história das religiões e no reavivamento da nova era. In Nova era: a religiosidade do pós-moderno (pp. 190-214). São Paulo: Loyola.

Publicado
27-05-2020
Como Citar
Faro, M. (2020). As deusas celtas e a jornada simbólica da alma feminina. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 5, 1-20. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2020.vol05.0006
Seção
Artigo de reflexão (ensaio)