O que dizem da gente os que “não falam”

afetos que permeiam a relação entre humanos e não humanos na atualidade

Autores

  • Daniela Laskani Ijusp

DOI:

https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2021.vol06.0004

Palavras-chave:

afeição, psicologia junguiana, biodiversidade, ontologia, imaginário

Resumo

O presente artigo buscou debater, sob a perspectiva da psicologia analítica, a inclusão de múltiplas espécies no manejo entre humanos e não humanos. O percurso de nossa existência na Terra colecionou uma série de imagens, símbolos e sonhos formados na relação com as múltiplas espécies. Na atualidade, os retratos antagônicos no manejo de cuidados e torturas com os não humanos demonstram um mundo contemporâneo polarizado e em constante transformação. Desorientados, precisamos procurar por olhares ainda desconhecidos para os filhos do Antropoceno. O trabalho tem como objetivo um olhar plural da existência, capaz de escutar a voz dos que “não falam”, por serem considerados não possuidores de linguagem ou não dotados de um elevado nível de consciência, e, em decorrência desses fatores, serem passíveis de dominação. A metodologia utilizada foi de revisão bibliográfica sobre o tema, nas áreas da ecologia, botânica, antropologia, filosofia e psicologia analítica. Concluiu-se que é necessário incorporar nossas raízes animalescas como predicados para o encontro com as vozes do mundo e seus seres e que é preciso, urgentemente, beber da fonte de outras ontologias que foram negadas no processo de conscientização do mundo, bem como trabalhar para que estas fontes possam servir como manancial de imaginação e interconectividade dos vínculos transhumanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agamben, G. (2017). O aberto: o homem e o animal (P. Mendes, trad., 2a ed. rev.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. (Trabalho original publicado em 2002).

Bachmann, H. I. (2016). O animal como símbolo nos sonhos, mitos e contos de fadas (V. Schneider, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Castro, E. V. (2018) Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Ubu Editora. (Trabalho original publicado em 2009)

Fausto, J. (2020). A cosmopolítica dos animais. São Paulo: N-1 Edições.

Giorgi, G. (2016). Formas comuns: animalidade, literatura, biopoliítica (C. Nougué, trad.). Rio de Janeiro: Rocco.

Hillman, J. (2008). Animal presences In Uniform editions of the writings of James Hillman (Vol. 9). New York: Spring Publications.

Hillman, J. (2010). Re-vendo a psicologia (G. Barcellos, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. (2018, 18 janeiro). Febre amarela: macacos não transmitem a doença. Brasília, DF: ICMBio. Recuperado em 25 de abril de 2021, de https://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/9416-febre-amarela-macacos-nao-transmitem-a-doenca

Jung, C. G. (2012). Observações gerais sobre o ponto de vista energético da psicologia. In A energia psíquica (OC, Vol. VII, 13a ed., M. L. Appy, trad.) Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1928).

Jung, C. G. (2012). Psicologia analítica e educação. In O desenvolvimento da personalidade (OC, Vol. XVII, 13a ed., Fr. V. Amaral, trad., D. F. Silva). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1926).

Jung, C. G. (2012). Introdução à problemática da psicologia religiosa da alquimia. In Psicologia e alquimia. (OC, Vol. XII, 6a ed., D. M. R. F. Silva, trad., J. Bonaventure, rev.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1944).

Jung, C. G. (2012). Sobre os arquétipos e o inconsciente coletivo. In Os arquétipos e o inconsciente coletivo (OC, Vol. IX/1, 9a ed., M. L. Appy, & D. M. R. F. Silva, trads.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1934).

Jung, C. G. (2012). Sobre o inconsciente In: Civilização em transição (OC X/3, L. M. E. Orth, trad., J. Bonaventure, ver.). Petrópolis, RJ: Vozes (Trabalho original publicado em 1918).

Kopenawa, D., & Albert, B. (2015). A queda do céu: palavras de um xamã Yanomami (B. Perrone-Moisés, trad.). São Paulo: Companhia das Letras.

Krenak, A. (2019). Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras.

Lispector, C. (1973). Água viva. São Paulo: Círculo do Livro.

Mancuso, S. (2019). Revolução das plantas: um novo modelo para o futuro (R. Silva, trad.). São Paulo: Ubu Editora.

Mariz, F. (2020, 18 de setembro). Covid-19: como o vírus saltou de morcegos para humanos. Jornal da USP. Recuperado em 25 de abril de 2021, de https://jornal.usp.br/ciencias/covid-19-como-o-virus-saltou-de-morcegos-para-humanos/

Oliveira, J. C., Amoroso, M., Lima, A. G. M., Shiratori, K., Marras, S, & Emperaire, L. (Orgs.). (2020). Vozes vegetais: diversidade, resistências e histórias da floresta. São Paulo: Ubu Editora.

Ribeiro, S. (2019). O oráculo da noite: a história e a ciência do sonho. São Paulo: Companhia das Letras.

Singer, P. (2010) Libertação animal (M. Winckler, & M. B. Cipolla, trads., R. Paixão, rev.). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1975).

Wohllenben, P. (2017). A vida secreta das árvores (P. Rissatti, trad.). Rio de Janeiro: Sextante.

Downloads

Publicado

2021-05-05

Como Citar

Laskani, D. (2021). O que dizem da gente os que “não falam”: afetos que permeiam a relação entre humanos e não humanos na atualidade. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 6(1), 1–14. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2021.vol06.0004

Edição

Seção

Artigo de reflexão (ensaio)