Apolo adentra a clínica junguiana

reflexões sobre a contratransferência

Palavras-chave: mitologia, poder, contratransferência

Resumo

Frente ao preconceito pautado no argumento de que o mundo precisa deixar de ser apolíneo ou que o analista junguiano deve afastar-se de Apolo, este trabalho reflete sobre a real necessidade de interdição de Apolo na clínica. Para isso, resgataram-se as diferentes abordagens que caracterizam o deus da mitologia grega como figura complexa e multifacetada. Sua presença no consultório suscitou o estudo da transferência e da contratransferência. Como ferramenta de análise, extraiu-se das características de Apolo o que parecia mais marcante na possível interferência à atuação clínica: o poder e o distanciamento emocional. Em forma de julgamento, referindo-se à condenação do logos no meio junguiano, este trabalho se transformou numa carta em defesa de Apolo e de todos os deuses, sem a necessidade do sacrificium intellectus. O temenos analítico revela-se como arena de vozes, palco do politeísmo, onde todos os deuses podem e devem se presentificar sem qualquer interdição a um ou outro para que o analista cumpra com o  seu papel.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlon Reikdal, Universidade Federal do Paraná

Formado pela UFPR e pós-graduado pela PUC-PR em Psicologia Analítica. Atua em consultório particular como analista e supervisor clínico. Docente de pós-graduação das disciplinas de Saúde Mental e Espiritualidade, Metodologia de Pesquisa e Suicídio.

Referências

Apolo (2009). In Chevalier, J., & Gheerbrant, A. Dicionário de símbolos. (24a ed.). Rio de Janeiro: José Olympio.

Asseteador. (2001). In A. Houais, Dicionário Houaiss da língua portuguesa p. 321). Rio de Janeiro: Objetiva.

Bolen, J. S. (2002). Os deuses e o homem: uma nova psicologia da vida e dos amores masculinos (3a ed.). São Paulo: Paulus. (Coleção amor e psique).

Brandão, J. (2013). Mitologia grega (10a ed., Vol. II). Petrópolis, RJ: Vozes.

Brandão, J. (2014). Mitologia grega (13a ed., Vol. I). Petrópolis, RJ: Vozes.

Brunel, P. (1998). Dicionário de mitos literários (2a ed.). Rio de Janeiro: José Olympio.

Cabral, L. A. M. (2004). O hino homérico a Apolo. Campinas: Editora da UNICAMP.

Colli, G. (1992). Nascimento da filosofia (2a ed.). Campinas: Editora da UNICAMP.

Craig, A. G. (2008). Abuso de poder na psicoterapia e na medicina, serviço social, sacerdócio e no magistério (2a ed.). São Paulo: Paulus. (Coleção Amor e Psique).

Doutrina. (2001). In A. Houais, Dicionário Houaiss da língua portuguesa p. 1081). Rio de Janeiro: Objetiva.

Edinger, E. (2004). Ciência da alma: uma perspectiva junguiana. São Paulo: Paulus (Coleção amor e psique).

Grimal, P. (1997). Dicionário da mitologia grega e romana (3a ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Hall, J. (1995). Experiência junguiana: análise e individuação (5a ed.). São Paulo: Cultrix. (Coleção estudos de psicologia junguiana por analistas junguianos).

Hillman, J. (1984). O mito da análise: três ensaios de psicologia arquetípica. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Hillman, J. (1995). Anima: anatomia de uma noção personificada (6a ed.). São Paulo: Cultrix.

Jacoby, M. (2011). Encontro analítico: transferência e relacionamento analítico. Petrópolis, RJ: Vozes. (Coleção reflexões junguianas).

Jung, C. G. (2007). Prática da psicoterapia (OC, XVI/1, L. Bonaventure, L. Boff, & M. R. F. Silva, & J. Bonaventure, eds). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1929).

Jung, C. G. (2008). Psicologia do incosnciente (OC, VII/1, Bonaventure, L. Boff, & M. R. F. Silva, & J. Bonaventure, eds). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1912).

Jung, C. G. (2011a). Freud e a psicanálise (OC, IV, L. Bonaventure, L. Boff, & M. R. F. Silva, & J. Bonaventure, eds). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1914).

Jung, C. G. (2011b). A vida simbólica (OC, XVIII/1, L. Bonaventure, L. Boff, & M. R. F. Silva, & J. Bonaventure, eds). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1935).

Jung, C. G. (2012). Ab-reação, análise dos sonhos e transferência (OC, XVI/2, L. Bonaventure, L. Boff, & M. R. F. Silva, & J. Bonaventure, eds). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1921).

Lopes, E. M. Apolo. (2007). In M. Z. Alvarenga, org. Mitologia Simbólica: estruturas da psique e regências míticas (pp. 229-247). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Machtiger, H. G. (2005). Reflexões sobre o processo de trasnferência/contratransferência com pacientes fronteiriços. In M. Stein, & N. Schwartz-Salant, orgs., Transferência e contratransferência (6a ed., pp. 108-131). São Paulo: Cultrix.

Ó, L. T., & Leite, V. L. B. (2009). O poder na relação conjugal: uma visão arquetípica. Trabalho apresentado no V Congreso Latinoamericano de Psicologia Analítica (pp. 191-196). San Tiago: Cuatro y Cero.

Poder. (2001). In A. Houais, Dicionário Houaiss da língua portuguesa p. 2244). Rio de Janeiro: Objetiva.

Quintaes, M. (2011). Por uma psicologia com alma e beleza. Recuperado de http://www.symbolon.com.br/artigos/porumapsico.htm

Soberba. (2001). In A. Houais, Dicionário Houaiss da língua portuguesa p. 2244). Rio de Janeiro: Objetiva.

Stein, M. (2005). Poder, xamanismo e maiêutica na contratransferência. In M. Stein, & N. Schwartz-Salant, orgs., Transferência e contratransferência (6a ed.). São Paulo: Cultrix.

Publicado
28-03-2019
Como Citar
Reikdal, M. (2019). Apolo adentra a clínica junguiana. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 4(1). https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2019.vol04.0006
Seção
Artigo de reflexão (ensaio)