Abordagem clínica dos temas "morte" e "suicídio" na perspectiva da psicologia arquetípica

  • Helton Marculino de Souza Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
  • Lunalva Fiuza Chagas Instituto de Psicologia Analítica de Campinas - IPAC

Resumo

A psicologia arquetípica se configura como uma abordagem criada a partir da psicologia analítica de C. G. Jung, tendo James Hillman como um de seus expoentes. O autor tem uma vasta obra que aborda temas diversos, dentre eles a morte e o suicídio. Tendo em vista a importância que estes dois temas apresentam no campo clínico, objetiva-se, por meio desta pesquisa, debater apontamentos técnicos, visando uma primeira sistematização sobre intervenções clínicas para abordagem de aspectos concernentes à morte e ao suicídio a partir de uma visão da Psicologia Arquetípica. Configura-se, metodologicamente, como uma pesquisa teórica, empreendida por meio da consulta a obras de J. Hillman relativas aos temas elencados.  Através desse estudo, pode-se apreender que é de grande importância que o psicólogo entre em contato com temas relacionados à morte e ao suicídio para que seja capaz de oferecer  um acolhimento que não se limita a patologizar, mas a encarar a psique como entidade autônoma a priori, ou seja, fazer alma, como propõe Hillman é estar disposto a relacionar-se com o fenômeno que se apresenta ao invés de interpretá-lo, conhecer as próprias fantasias e afetos ligados ao tema, é indispensável ao psicólogo para que o processo terapêutico frente a essa demanda  seja possível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helton Marculino de Souza, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
Psicólogo, Especialista em Saúde Mental - UEL, Especialista em Psicologia Analítica Junguiana - UNICAMP
Lunalva Fiuza Chagas, Instituto de Psicologia Analítica de Campinas - IPAC
Psicóloga, especialista em Psicologia Clínica, analista didata e membro do Instituto de Psicologia Analítica de Campinas-IPAC, da Associação Junguiana do Brasil-AJB, e da International Association for Analytical Psychology-IAAP. Docente convidada no Curso de Especialização em Psicologia Analítica da Unicamp.

Referências

Adams, M. V. (2002). A Escola Arquetípica. In P. Young-Eisendrath & T. Dawson (orgs.), Manual de Cambridge para estudos jungianos (pp. 111-125). Porto Alegre: Artmed Editora.

Barcellos, G. (2006). Voos & Raízes. São Paulo: Ágora.

Hillman, J. (1984). O Mito da análise: três ensaios de psicologia arquetípica. Rio de janeiro: Paz e Terra.

Hillman, J. (1991). Psicologia Arquetípica: Um Breve Relato. São Paulo: Cultrix.

Hillman, J. (1993). Concerning the Stone: Alchemical Images o Concerning the Stone: Alchemical Images of the Goal f the Goal - Sphinx 5. London Convivium for Archetypal Studies.

Hillman, J. (2009). Suicídio e alma. Petrópolis: Vozes.

Hillman, J. (2010). Re-vendo a psicologia. Petrópolis: Vozes.

Hillman, J. (2011). Psicologia alquímica. Petrópolis: Vozes.

Hillman, J. (2013). O sonho e o mundo das trevas. Petrópolis: Vozes.

Jung, C.G. (1975) Memórias, sonhos e reflexões. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Jung, C.G. (2002). Os arquétipos e ο inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes.

Jung, C.G. (2011). A prática da psicoterapia: contribuições ao problema da psicoterapia e à psicologia da transferência. Petrópolis: Vozes.

Penna, E.M.D. (2007). Pesquisa em psicologia analítica: reflexões sobre o inconsciente do pesquisador: Boletim de psicologia, LVII(127), 127-138.

Samuels, A. (1988). Dicionário crítico de análise junguiana. Rio de Janeiro: Imago.

Samuels, A. (1989). Jung e os pós-junguianos. Rio de Janeiro: Imago.

Sant’Anna, P. A. (2001). As imagens no contexto clínico de abordagem junguiana: uma interlocução entre teoria e prática. 2001. Tese (Doutorado em Psicologia). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Publicado
17-08-2018
Como Citar
Marculino de Souza, H., & Fiuza Chagas, L. (2018). Abordagem clínica dos temas "morte" e "suicídio" na perspectiva da psicologia arquetípica. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 3. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2018.vol03.0006
Edição
Seção
Artigo de pesquisa original