Transição de menina em mulher

contos de fadas e mitologia

  • Marina Oliveira de Carvalho PUSP
  • Janaína Liz Aquino PUCPR
  • Juliano Maluf Amui PUCPR
Palavras-chave: Mulheres, imagem, contos de fadas, mitos

Resumo

Os mitos e os contos de fadas possuem símbolos que expressam imagens arquetípicas e, por contarem com essa base, são eternos e atemporais. Este trabalho teve como objetivo explorar as fronteiras simbólicas que permeiam a transformação da menina em mulher, expressas no mito de Core/Perséfone e nos contos do “O Barba Azul” e “A Bela e a Fera”. Os conteúdos estudados foram amplificados e relacionados com o processo de individuação feminina. São histórias que demonstram o modelo arquetípico da morte simbólica da menina e o nascimento da mulher, por meio do diálogo com aspectos inconscientes, da descoberta da natureza selvagem e pela maneira como ela se relaciona com esta dimensão da vida. Assim, estudos que contemplam a apreensão desses símbolos são fundamentais para o esclarecimento da dinâmica envolvida em tal transformação. Visto que essa temática destaca-se no contexto do trabalho clínico, a interlocução entre a pesquisa e a prática contribui para o processo de análise e individuação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janaína Liz Aquino, PUCPR

Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2018). Pós-graduanda da Especialização em Psicologia Analítica da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Juliano Maluf Amui, PUCPR

Mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor no curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Coordenador da Pós Graduação em Psicologia Analítica da Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Membro analista da IJPR / AJB / IAAP.

Referências

BOLEN, S. (2016). As Deusas e a Mulher: nova psicologia das mulheres. São Paulo: Paulus.
BRANDÃO, J. S. (2012). Mitologia Grega. V. II. ed. 21a .Petrópolis, RJ: Vozes.
CORTES, G. G. (s.d.). O Conto “A Bela e a Fera”: da simbologia alquímica ao processo de individuação. Disponível em:. Acesso em: 30 de mar. de 2017.
ESTÉS, C. P. (1994). Mulheres que Correm com os Lobos: mitos e histórias do arquétipo da Mulher Selvagem. Rio de Janeiro: Rocco.
HALL, J. A. (1990). A Experiência Junguiana: análise e individuação. São Paulo: Editora Cultrix.
JUNG, C. G. [2013(1948)]. A Natureza da Psique. OC, v. 08/02. ed. 10. Petrópolis, RJ: Vozes.
JUNG, E. [2006(1991)]. Animus e Anima. São Paulo: Editora Cultrix.
NEUMANN, E. [2017(1980)]. Eros e Psiquê: amor, alma e individuação no desenvolvimento do feminino. Ed. 10. São Paulo: Cultrix.
SICUTERI, R. Lilith: a lua negra. 5ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1990.
STEIN, M. (2007). No Meio da Vida: uma perspectiva junguiana. São Paulo: Paulus. (Coleção Amor e Psique).
Publicado
30-07-2020
Como Citar
Oliveira de Carvalho, M., Aquino, J. L., & Maluf Amui, J. (2020). Transição de menina em mulher. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 5, 1-15. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2020.vol05.0008
Seção
Estudo de caso