A escuta da clínica analítica

Paula Perrone

Resumo


O artigo trata do uso da história de vida em uma pesquisa da autora sobre o processo de individuação. Na análise e na pesquisa, a história de vida é o método que favorece a escuta e ele pode ser enriquecido pela antropologia e pela psicologia profunda. Rousseau concebeu a etnologia no século XVIII por ter o outro como motivo primeiro de sua teoria. A "pitié" permite sua identificação com o sofrimento de seu semelhante. Merleau-Ponty se voltou para a antropologia pela sua maneira de pensar quando o objeto é o "outro" e exige nossa transformação. Criamos interfaces entre a antropologia e a psicologia analítica, uma vez que alteridade é a questão junguiana. Jung avalia como condição necessária para o verdadeiro encontro o exercício consciente da retirada das projeções sobre o mundo externo. Segunda interface: a escuta analítica. Ela procura alcançar as fantasias inconscientes e facilitar que camadas inconscientes aflorem. Para Merleau-Ponty a percepção é seletiva. A escuta da psicologia profunda é seletiva, perspectivista. Terceira interface: a experiência da intersubjetividade. O campo interativo entre o narrador e o ouvinte de uma história de vida pode comportar a constituição de um terceiro elemento, produto do encontro das duas subjetividades: o corpo sutil. Nessa sintonia, falamos de acordo com esse campo de sensibilidade constituída. A clínica também está presente quando se estuda com alunos ou na pesquisa em ciências humanas a partir de narrativas. Tem uma função no mundo, pode produzir uma metodologia refinada. A fala de meu entrevistado pertence ao domínio do "terceiro incluído". Jung explicou profundamente essa cópula simbólica.


Palavras-chave


escuta analítica, alteridade, psicologia junguiana.

Texto completo:

PDF HTML PDF (English)

Referências


Arrigucci Junior, D. (1987). Enigma e comentário: escritos sobre literatura e experiências. São Paulo: Companhia das Letras.

Benjamin, Walter.(1994). O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política (pp.197-221). São Paulo: Brasiliense.

Bom Meihy, J. C. (1998). Manual de história oral. São Paulo: Loyola.

Dias, L. & Gambini, R. (1999). Posfácio. In Outros 500: uma conversa sobre a alma brasileira. São Paulo: Ed. SENAC.

Jung, C. G. (1999). Ab-reação, análise dos sonhos, transferência. In Obras Completas (vol. XVI/2). Petrópolis: Vozes.

Lévi-Strauss, C. (1989). Antropologia estrutural dois. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Merleau-Ponty, M. (1971). A fenomenologia da percepção. Rio de Janeiro, Editora Livraria Freitas Bastos.

Merleau-Ponty, M. (1980). De Mauss a Claude Lévi-Strauss. In Os pensadores (M. Chauí, trad.) (pp. 200). São Paulo: Abril Cultural.

Perrone, P. (2003). Existências fascinadas: história de vida e individuação. São Paulo, Annablume-FAPESP.

Queiroz, M. I. P. (1988). Relatos orais: do “indizível” ao “dizível”. In Von Simson, Olga de Moraes (Coord.), Experimentos com histórias de vida. São Paulo: Vértice. A psicanálise “atual” na interface das “novas” ciências (pp. 207-232). São Paulo: Via Lettera.

Schwartz-Salant, N. (1997). O corpo sutil e as experiências imaginais no campo interativo (cap. 5, pp. 161-192). In A personalidade limítrofe: visão e cura. São Paulo: Cultrix.




DOI: http://dx.doi.org/10.21901/2448-3060/self-2017.vol02.0002

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

CORRESPONDÊNCIA: Rua Simão Álvares, 526 - Pinheiros - São Paulo/SP, Brasil - CEP 05417-020 / Tel.: (55 11) 3031-0157

ISSN 2448-3060